6 tendências da automação de marketing para este ano


O ano de 2019 traz consigo algumas novidades do ponto de vista da automação de marketing, no entanto, também será marcado pela continuidade no desenvolvimento de algumas estratégias que já têm vindo a crescer no mercado.

 

Estar a par do que a tecnologia nos reserva para os próximos meses é extremamente importante para os negócios que querem estar na linha da frente e, assim, delinear estratégias eficazes para o futuro.

 

É tempo, então, de conhecer o que 2019 nos trará de novo no que diz respeito à automação de marketing e à forma como é usada a favor do negócio.

 

Automação de marketing: que tendências acompanhar?

 

1. Integração de plataformas

 

Esta não é uma tendência nova, mas promete ganhar ainda mais força este ano. Conciliar todas as tecnologias disponíveis em torno de um objetivo comum – captar e nutrir leads – é a nova forma de estar do marketing digital e assim vai continuar.

 

Integrar as diferentes tecnologias é sempre um desafio, porque nem todas são criadas a pensar nas restantes e, na maioria das vezes, o sistema de cada uma delas (e respetiva estratégia) não foi pensado tendo em conta uma futura integração. O cenário fica ainda mais complicado quando novas tecnologias vão aparecendo – e que, apesar de serem complementares às primeiras, não são de fácil adaptação.

 

Falamos de CRM, de redes sociais, de plataformas de gestão e envio de emails, de sistemas de monitorização de atividade e de ferramentas que reúnem todas estas tecnologias. Juntas detetam potenciais clientes, captam leads e qualificam-nas, nutrem-nas e encaminham-nas pelo funil de conversão.

 

A tendência de integração tecnológica, ainda assim, tem um rumo indefinido: este será determinado pela própria evolução tecnológica, pelas ferramentas novas que certamente vão surgir e, claro, pela evolução do mercado e das necessidades do cliente.

 

2. Predictive Lead Scoring

 

Esta é uma das tendências mais curiosas que prometem agitar o mercado digital em 2019. O sistema de avaliação preditiva de leads vira a estratégia clássica do avesso e, em vez de se focar na lead, foca-se no próprio negócio.

 

Passo a explicar.

 

A avaliação preditiva de leads atribui ao seu negócio uma pontuação de acordo com a probabilidade que ele tem de interessar à lead (tendo em consideração vários aspetos relacionados com a lead, como a demografia, a geografia ou até o comportamento online). Quanto maior for essa pontuação, maior se adivinha o retorno do investimento em comunicações com essa lead.

 

A avaliação preditiva permite, ao mesmo tempo, definir perfis de leads já baseados nas suas características – ou seja, em vez de definir perfis de clientes e depois comunicar com eles, primeiro filtra-os de acordo com a probabilidade de conversão e só depois aplica as estratégias de definição de perfis sobre cada grupo.

 

Assistir a um maior investimento na avaliação preditiva de leads vai permitir ao mercado digital aprimorar, não só estratégias de automação de marketing, mas também estratégias de conteúdo. Quem sabe, até criar novos cenários impulsionados pela evolução (e integração) tecnológica referida no ponto anterior.

 

3. Chatbots com Inteligência Artificial

 

Os chatbots já não são uma novidade no mundo da automação de marketing. No entanto, não podemos negar a sua eficácia no que toca à captação de contactos, à divulgação de campanhas, produtos ou serviços, ou até ao atendimento ao cliente.

 

A verdade é que se torna muito mais intuitivo para o utilizador interagir com um chatbot do que propriamente preencher um formulário imerso em questões às quais repetidamente respondemos. E é aqui que entra a inteligência artificial, para facilitar ainda mais esta comunicação.

 

O (ainda) não se baseia no tom de voz, mas sim em padrões contextuais.

 

A inteligência artificial promete percorrer um longo caminho evolutivo no âmbito da automação de marketing no próximo ano: combinada com outras tecnologias de captação, qualificação e nutrição de leads, a inteligência artificial permite otimizar processos e aumentar exponencialmente a eficiência de cada uma das fases do percurso do consumidor. O processamento de linguagem natural (Natural Language Processing) é um exemplo concreto de como a inteligência artificial pode ajudar o seu negócio a personalizar o atendimento, diferenciar-se da concorrência e ganhar uns pontos no que toca à experiência do utilizador. E o melhor, com o Smarkio é possível!

 

4. Customização de conteúdo

 

Há sempre novas formas de abordar estratégias de conteúdo. E é por este motivo que esta é uma tendência que não arredará pé das conversas de marketing digital no próximo ano.

 

Consumidores cada vez mais exigentes, informados e, acima de tudo, impacientes, requerem das marcas conteúdo cada vez mais adaptado aos seus interesses e necessidades. Assim, prevê-se que estratégias de Marketing de Conteúdo terão de encontrar o caminho para evoluir de forma a não desiludir quem converte.

 

Esta urgência de conteúdo mais (e melhor) personalizado promete, ao mesmo tempo, promover o desenvolvimento tecnológico, já que a personalização assenta sempre na informação recolhida e processada pela tecnologia. Se pensarmos nos tímidos passos que a tecnologia já deu no campo da criação automática de conteúdo, não é difícil perceber que o caminho existe e é possível de ser trilhado.

 

A tendência para a crescente customização de conteúdo é, então, uma realidade e, em simultâneo, um estímulo para todas as outras tendências da automação e da evolução tecnológica.

 

5. Toque humano

 

Independentemente da evolução que a tecnologia apresentar, os consumidores não mostram vontade de aliviar a exigência de um toque humano, pelo menos durante o próximo ano.

 

Mostrar ao consumidor, na hora certa, que não está totalmente entregue aos robôs e que as marcas ainda privilegiam a interação pessoal continua a ser uma tendência no mercado digital. Assim, a previsão é de que a integração tecnológica continue a compreender uma variante humana, combinando homem e máquina da forma mais eficiente e eficaz.

 

Não será desta, por isso, que os humanos são totalmente arrumados para canto pelas máquinas: este ano continua a valorizar o intelecto e a empatia que só as pessoas conseguem demonstrar. Afinal, e na tentativa da desmistificação do tema, as máquinas não vêm substituir as pessoas, vêm sim complementar o seu trabalho facilitando processos chatos e repetitivos.

 

6. Automação das redes sociais

 

Deixo este para o fim de propósito. À primeira vista, a automação das redes sociais até parece coisa do passado, já nem uma tendência. No entanto, a evolução tecnológica e, sobretudo, a integração tecnológica vieram alterar o paradigma da automação das redes sociais, que cada vez mais assume um perfil diferente do que tinha até agora.

 

Se, até recentemente, a automação das redes sociais compreendia o agendamento e até a publicação automática de mensagens (por esquemas de ação-reação ou de calendarização), hoje em dia é possível não só agendar mensagens como também é possível apontar essas mensagens a determinados públicos pré-definidos.

 

A verdade é que, graças às tecnologias de qualificação e avaliação de leads, os públicos das redes sociais deixaram de ser grandes massas homogéneas e passaram a ser filtrados com bastante rigor. Se a essa capacidade juntarmos a Inteligência Artificial, podemos ensinar um sistema a enviar determinadas mensagens a determinado público de determinada forma – resultando numa publicação em redes sociais eximiamente planeada, estruturada e afinada tendo em conta os diversos segmentos do público-alvo.

 

A automação de marketing está então intimamente relacionada com a automação das redes sociais que volta, assim, a ser uma tendência em 2019, contrariando o percurso mais lento que tinha seguido nos meses anteriores. Na verdade, a probabilidade é que, abrindo espaço à integração tecnológica, estas redes se transformem em verdadeiras ferramentas de marketing devidamente controladas e otimizadas, aumentando muito a eficiência de toda a estratégia de marketing e respetivas mensagens.

 

Integração é a palavra de ordem

 

Se por um lado a automação de marketing é movida a dados, – dados estes recolhidos a partir das mais diversas plataformas que podem diferir de negócio para negócio, – por outro só gera resultados positivos se cumprir uma estratégia definida previamente.

Hoje em dia, a tecnologia permite-nos fazer coisas incríveis. Para tal, apenas precisamos de duas coisas: estratégia e criatividade.

 

 

Fernanda Vasconcelos

Autor: Fernanda Vasconcelos

CMO @ Impacting Group

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *