Como fazer da automação uma “torre de vigia” para o seu negócio


A automação não serve apenas para facilitar e padronizar a sua interação com os consumidores: ela também pode ter impacto na sua relação com a concorrência.

Quando o tema de uma conversa ou debate é a automação ao serviço do marketing, a perspectiva é, frequentemente, invariável. A automação ainda é vista como uma ferramenta que facilita o trabalho dos marketers na relação com os clientes e potenciais clientes, enquanto ajuda na gestão e nutrição de leads e ainda dá um apoio extra na construção de uma estratégia de comunicação personalizada ao detalhe.

Mas e se lhe dissermos que a automação tem muito mais potencial do que aquele para que está a ser aproveitada – e que esse potencial pode estar relacionado com a forma como acompanha a concorrência e ajuda o seu negócio a manter-se na linha da frente?

A verdade é que dificilmente as tecnologias trabalham num sentido único e, muitas vezes, tirar ainda mais proveito delas só depende da nossa imaginação e criatividade. Por este motivo, lançamos um novo mote: a utilização das tecnologias de automação para monitorização e acompanhamento da concorrência.

Acompanhar a concorrência: porquê?

Se está aos comandos de um negócio, esta é uma pergunta que dificilmente faria; no entanto, ficaria surpreendido com a quantidade de gestores que, em boa verdade, admitem não dedicar muito tempo a analisar o que a concorrência está a fazer para passar à frente deles no mercado.

Acompanhar as atividades da concorrência é uma forma de nunca “perder o comboio”. Uma forma de saber que novidades circulam, que novos produtos são lançados e que novas estratégias são implementadas. É através da vigilância apertada dos concorrentes que os negócios são rápidos na reação e respondem a um produto novo com outro produto novo, a uma inovação com outra inovação. O mercado mexe, e as empresas têm de mexer com ele – sempre de olhos postos umas nas outras.

Do ponto de vista prático, acompanhar as atividades da concorrência pode até ajudar a entender os resultados fracos ou decrescentes da sua própria estratégia de negócio. Imagine o caso de uma empresa que vende, com sucesso, um produto muito popular. De um dia para o outro as vendas começam a cair e os resultados tornam-se, gradualmente, piores. Se vigiar a concorrência pode perceber, por exemplo, que um competidor encontrou forma de vender o mesmo produto (ou outro muito semelhante) a um preço mais baixo, convertendo até os seus clientes mais fiéis.

Sem acompanhamento da concorrência, a sua equipa passaria semanas a procurar o motivo da quebra nas vendas; com um sistema de vigilância de competidores devidamente estruturado, a descoberta seria fácil e rápida o suficiente para permitir ao seu negócio reajustar-se e manter-se na liderança do mercado.

A verdade, no entanto, é que é muito complicado acompanhar os competidores em permanência. Eventualmente a sua equipa terá um tal volume de trabalho que a visita aos concorrentes fica cada vez mais no fundo da lista de prioridades, até ao ponto em que praticamente se extingue. E sem vigiar a concorrência o seu negócio fica muito frágil… o que fazer?

Acompanhar a concorrência: como?

1. Automatizar o que ainda não é automatizado

Já se sabe que neste caso, tal como em tantos outros, a automação pode ser a resposta mais eficaz. Monitorizar os competidores de forma manual é um processo lento e repetitivo – e, como processo lento e repetitivo que é, pode ser automatizado.

2. Monitorizar a concorrência no seu site

A ideia é simples: imagine aplicar à sua concorrência os mesmos marcadores que aplica normalmente a uma lead ou a um visitante do seu site – não para monitorizar a probabilidade de conversão, mas para monitorizar a atividade de negócio.

De forma mais prática, imagine que sabe sempre que um trabalhador de uma empresa concorrente visita o seu site ou interage com um dos seus bots. Com certeza vai querer saber onde ele andou, o que andou a ver e o que perguntou ao bot – porque isso vai dar-lhe uma ideia do que a concorrência procura em si, em que áreas teme a sua empresa e que produtos ou serviços está interessada em replicar. Ora, manualmente esta tarefa é impossível, mas, com as ferramentas certas, pode até receber um alerta sempre que um concorrente aceder a uma plataforma sua.

3. Monitorizar a atividade dos competidores

Numa mesma lógica mas com outro suporte tecnológico, imagine que recebe um alerta sempre que uma empresa concorrente comunica um produto ou faz um post novo nas redes sociais. Graças à disponibilidade e atenção permanente e infalível da tecnologia, pode, nos dias que correm, ter este tipo de ferramentas ao seu serviço – e nem sequer tem de fazer grandes investimentos.

O objetivo é que tenha sempre presente que, tal como o seu negócio vive em diferentes plataformas e formatos, também o negócio da concorrência assume várias formas e modelos, e por isso deve ser controlado em todos eles. Saber o que acontece na casa do vizinho é sempre uma ótima forma de se preparar para o que vai bater à sua porta dali a pouco, dando-lhe a vantagem de já poder preparar-se com antecedência para as eventualidades.

4. Automatizar a estratégia de guerrilha

Deixámos esta para o fim de propósito, porque é a mais fácil de fazer (nem que seja porque é uma técnica já popular entre os profissionais do marketing): usar a automação para atacar a concorrência.

A prática não é ilegal e pode ter resultados surpreendentes. Imagine que as empresas A e B são concorrentes diretas, ou seja, vendem o mesmo produto para o mesmo mercado. A empresa A tem uma estratégia digital bem montada, mas a empresa B não investe tanto na automação. Agora imagine que a empresa A compra, na publicidade programada, o nome da empresa B. O que vai acontecer? Sempre que, em qualquer página da internet, o nome da empresa B for mencionado, os espaços publicitários vão ser preenchidos com anúncios da empresa A, numa verdadeira estratégia de guerrilha publicitária.

A maior vantagem desta estratégia – para além da enorme visibilidade – é o facto de ela praticamente não exigir recursos adicionais: basta configurar corretamente a automação que já tem em curso e esperar que os resultados apareçam.

A automação como “torre de vigia” do seu negócio

Pelas estratégias aqui faladas fica claro que a automação está longe de ser apenas uma ferramenta de suporte ao marketing. Pode ser um elemento fundamental em várias áreas do seu negócio, nomeadamente no acompanhamento das atividades da concorrência e dos comportamentos do mercado.

No fundo, é tudo uma questão de compreensão das ferramentas que tem ao seu dispor e de criatividade na forma como olha para elas e como imagina novas formas de fazê-las trabalhar para o seu negócio. No fim de contas, a automação existe para simplificar qualquer tipo de trabalho ou função, sem barreiras e com o maior e mais variado espectro de abrangência.

Photo by Fabrizio Verrecchia on Unsplash

Fernanda Vasconcelos

Autor: Fernanda Vasconcelos

CMO @ Impacting Group

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *