Conteúdo dinâmico: o que é e como pode mudar o seu negócio


 

As comunicação em massa standardizadas está ultrapassada: com um público cada vez mais exigente, torna-se critico aproveitar a informação disponível para desenhar mensagens à medida de cada cliente.

 

Estas mensagens personalizadas podem implementar-se com recurso a conteúdo dinâmico, o qual pode tomar diferentes formas, todas elas conducentes a um mesmo objetivo: aumentar a relevância da comunicação com o cliente e o seu apreço pela nossa marca/empresa. Em termos práticos, o conteúdo dinâmico pode ser usado ao longo de toda a customer journey, desde o interesse até à compra.

 

Os resultados deste tipo de personalização da relação com o cliente são muito interessantes: um estudo da Jupiter Research descobriu que os emails personalizados conquistam 18 vezes mais respostas do que os standardizados e que o conteúdo dinâmico pode aumentar em 20% as oportunidades de venda.

 

O que é o conteúdo dinâmico?

 

De uma forma muito resumida, o conteúdo dinâmico é aquele que muda conforme o recetor. Este tipo de conteúdo começou numa plataforma que, com certeza, já conhece: o Google AdSense. Quando faz uma pesquisa no motor de busca da Google passa a ser bombardeado com anúncios relacionados com a sua pesquisa, mesmo em sites e páginas que não têm nada a ver com tema.

O mesmo acontece hoje em dia quando acede a um site de eCommerce e visualiza um determinado artigo. É natural que durante algum tempo passe a ver publicidade desse artigo num conjunto alargado de sites: a esta ação dá-se o nome de remarketing da Google.

 

A adaptação da mensagem ao historial de comportamento do utilizador acabou por extravasar o mundo da publicidade e começou a ligar-se a outras ferramentas de marketing, dando origem a possibilidades infinitas – e extremamente eficientes – de criação de campanhas e outros momentos de comunicação relevante com prospects e clientes.

 

O conteúdo dinâmico também assume os nomes de “smart content” e “adaptive content” e, numa definição mais lata, ajuda-nos a criar uma experiência de utilização customizada para cada utilizador.

 

Como posso criar conteúdo dinâmico?

 

A criação de conteúdo dinâmico não é muito complexa na sua base: no fundo “só” precisa de paciência para mapear todos os trajetos dos clientes e combinações de interesses possíveis e desenhar uma mensagem para cada um. Provavelmente vai conseguir agrupar os clientes em segmentos e desenhar alguns perfis, o que irá aumentar o conhecimento que tem da sua base de contactos e facilitar o planeamento e implementação de futuras ações de comunicação.

 

O conteúdo dinâmico pode assumir muitas formas e não se resume aos anúncios na internet. Avalie que tipo de conteúdo consegue produzir e aloque-o estrategicamente a cada etapa do percurso do utilizador. Não perca de vista o objetivo desta iniciativa: aumentar a relevância da comunicação com o cliente para conseguir atingir os seus KPIs de forma mais eficaz.

 

De que tecnologias preciso?

 

A magia só acontece se tiver uma boa base de suporte, isto é, se tiver condições para recolher, armazenar e analisar de forma sistemática a informação de cada utilizador, o que é hoje em dia relativamente simples com a utilização de uma das ferramentas disponíveis no mercado para esse efeito.

 

Ainda assim seria útil somar a esta ferramenta uma outra que automatize o processo de dinamização do conteúdo, porque a comunidade vai crescendo e, com o tempo, torna-se impossível (quer pelo overload operacional quer pelo respetivo custo) garantir a customização manual da experiência. Assim, se puder invista desde o início numa plataforma que o ajude a combinar perfis e mensagens e o liberte de um trabalho operacional excessivo.

 

Manter uma comunicação com prospects e clientes baseada em conteúdo dinâmico dá muito trabalho e requer uma grande dose de paciência e dedicação, mas o retorno faz o esforço valer a pena. A satisfação do cliente aumenta significativamente quando recebe mensagens adequadas às suas necessidades e preferências, o que exponencia o seu engagement com a marca, a taxa de conversão e a probabilidade de recomendação.

 

Fernanda Vasconcelos

Autor: Fernanda Vasconcelos

CMO @ Impacting Group

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *