Qual destes tipos de segmentação de contactos está a usar?


A segmentação de contactos é uma ação praticamente obrigatória quando um negócio avança para a era digital. Uma lista bem organizada e catalogada permite conhecer melhor o público e adaptar as mensagens comerciais aos seus interesses, afinando as estratégias e aumentando a eficácia das campanhas.

Adotando uma explicação mais simples, dizemos que a segmentação se baseia na distribuição de contactos em grupos tendo em conta atributos semelhantes. Vamos pensar numa embalagem de M&Ms como uma lista de contactos. Cada chocolate é um contacto e todos eles têm gostos e interesses diferentes. Mas existe algo em comum entre eles: a cor. Podemos então assumir a cor como um atributo e, assim, segmentá-los pela cor.

Aqui ficam alguns exemplos de atributos que poderá usar na segmentação dos seus contactos: idade, área de residência, cargo empresarial, se visitou o site na semana passada, número de e-mails abertos, etc.

Como em tudo, a segmentação de contactos só resulta se acompanhada por uma estratégia que responda aos objetivos do seu negócio. E nessa estratégia deverá constar o tipo de lista de segmentação a realizar. Sim, existem várias formas de segmentar e que cada uma delas cumpre objetivos específicos e requer recursos diferentes.

Quer esteja numa fase inicial do planeamento estratégico digital ou já se sinta pronto para desenvolver um pouco mais a forma como capta e nutre leads, conhecer bem os diferentes tipos de listas segmentada é essencial para que adote sempre aquele que melhor serve os interesses do seu negócio.

As diferentes listas de segmentação de contactos

1. Listas de segmentação estática

Este é o tipo de segmentação mais conhecido e também o mais básico: os contactos são recolhidos e organizados numa única operação, voltada para um objetivo pré-definido. Depois de elaborada, a lista fica vedada – mais nenhum contacto entra.

Estas listas são fáceis de construir e não requerem grandes recursos tecnológicos, já que pouco mais fazem do que recolher e organizar contactos. São, por isso, também muito baratas de manter e rápidas de processar.

As listas de segmentação estática são utilizadas sobretudo para campanhas únicas e para reporte – permitem ver com facilidade quem executou determinada tarefa ou conjunto de tarefas. Também são utilizadas para criar personas do público-alvo, ou seja, tiram uma “fotografia” aos contactos gerados e facilitam a organização por perfis para posterior análise.

2. Listas de segmentação semi-dinâmica

As listas de segmentação semi-dinâmica são um pouco mais exigentes do ponto de vista dos recursos tecnológicos, pois permitem a entrada constante de novos contactos. São particularmente úteis quando em causa está uma audiência crescente – sempre que a lista é revista, as leads são reavaliadas e aquelas que, cumprindo os requisitos, ainda não entraram para a lista, são adicionadas.

A entrada regular de novos contactos, no entanto, torna as listas de segmentação semi-dinâmica mais pesadas, porque crescem constantemente. A longo prazo, o tamanho pode torná-las demasiado pesadas e lentas de processar, o que requer mais e melhores recursos tecnológicos e uma limpeza de base de dados mais constante.

Outra desvantagem da segmentação semi-dinâmica é que o fluxo de contactos é unidirecional, ou seja, a lista permite a adição regular de novos contactos, mas não permite a supressão de contactos que ficam desatualizados ou deixam de cumprir os requisitos de permanência. Esta fraqueza faz com que a lista cresça mais rápido sem que disso advenham grandes vantagens, e, a longo prazo, torna-se quase inútil porque mistura muitos contactos desatualizados no meio de contactos saudáveis. Novamente refiro a importância da limpeza de base de dados.

Ainda assim, este tipo de listas é particularmente bom para casos em que o objetivo é agregar o público por interesses específicos – como, por exemplo, todos os utilizadores que mostraram interesse em determinado produto (em princípio esse interesse não desaparece, logo a lista não se desatualiza e só precisa mesmo de crescer).

3. Listas de segmentação dinâmica

As listas de segmentação dinâmica são uma evolução das listas anteriores e, além de permitirem a adição regular de novos contactos, permitem a remoção automática daqueles que deixarem de cumprir os requisitos de permanência.

Obviamente mais exigentes do ponto de vista tecnológico, as listas de segmentação dinâmica reavaliam todos os contactos com uma frequência relativamente alta, para se manterem atualizadas e prontas para consulta a qualquer momento.

Este tipo de listas é particularmente útil para audiências em constante mutação – os visitantes de uma determinada página nos últimos 15 dias, por exemplo – e para acompanhamento de leads ao longo de todo o funil de conversão.

Muito ligadas à automação de email, por exemplo, as listas dinâmicas permitem acompanhar as leads ao longo de várias etapas e difundir mensagens adaptadas a cada momento, o que faz delas as mais cobiçadas na área da automação de marketing.

Da teoria à prática

Comunicar com os clientes (ou prospects) é imprescindível nos dias que correm. Marcas que não comunicam são facilmente esquecidas pela audiência e, parecendo que não, colocam em risco o próprio negócio. Apostar na segmentação de contactos é otimizar o processo de comunicação e, utilizar uma plataforma completa que garanta apoio e diversidade de soluções torna-se fundamental!

No entanto, e como tenho vindo a referir, se não existe capacidade tecnológica, nada disto é possível.

Autor: Lynda Lourenço e Faro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *